terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Natal!

O Natal está chegando e nada melhor do que nesta data contar uma história sobre o nascimento do mesmo.

Bem no começo, o Natal era um feriado exclusivamente religioso. Comemorava-se a data escolhida para representar o nascimento de Jesus Cristo. Com o passar do tempo, toda a sociedade, mesmo aqueles que não são cristãos, passou a comemorar o Natal como uma data dedicada à família e ao espírito de generosidade.

Mas por que esse nome, Natal? Você já pensou nisso? Uma dica que pode solucionar o mistério é observar palavras parecidas. Uma pessoa que faz algo com muita naturalidade é um talento nato. E já ouviu dizer que alguém que nasceu no Brasil é um brasileiro nato ou nativo do Brasil?

Essas palavras (nato, natal) vêm do latim natalis, que significa referente ao nascimento. Por isso, Natal é o feriado relacionado ao nascimento. Assim fica fácil. Isso também explica por que aquela cena com o menino Jesus na manjedoura é chamada de natividade, porque é a cena do nascimento.

Feliz Natal a todos!!

Muita Luz!

Por Bruna Albuquerque
Escola Estadual Francisco Mello

domingo, 18 de dezembro de 2011

Última parada.

Nossa equipe esteve reunida na última sexta-feira (16) para finalizar os últimos detalhes de uma parte desses meses de visitas, de contatos, de alegrias. De sonhos realizados!

Chegamos a conclusão de realizar um trabalho como esse porque sabemos que eles merecem guardar a lembrança de tudo um pouco que fizeram para contribuir com o sucesso dessa Equipe e o sucesso desse Programa. Dessa ideia que pôde fazer com que cada membro desse grupo entrasse de um jeito e saísse de outro. Com os olhos mais abertos para as coisas da vida. Afinal, "(...) a importância do projeto, com certeza, não se deu apenas na vida das crianças".

É... Tá (quase) terminando. Mas... Será mesmo que esse é o fim? "(...) Gosto de pensar que não, talvez esse seja só o começo". O começo, justificável pela nossa líder (risos) - que bem disse essas palavras anteriores - de uma nova fase na vida de todos nós...

São muitas coisas, muitos acontecimentos... Não dá pra lembrar de tudo agora e relatar aqui. Mas... Como esquecer as visitas em que não obtivemos êxito e, em especial, aquela em que descobrimos que "(...) a moça que há pouco tempo havia sido morta da maneira mais cruel e brutal, que teve seus braços e cabeça decepados, era uma aluna da Escola Frei Damião." Foi um dia marcante, com certeza.

(...)

- E por qual razão você decidiu colocar o seu filho pra estudar aqui?
- "Pra que ele não tenha o mesmo final que eu".

Além, claro, de ouvir a realidade dita da forma mais direta possível: "A gente aqui luta contra a droga todo dia". E o relato de alguém que tem o contato com as pessoas da comunidade quase que diariamente... "Aqui é assim, tia, quem faz a lei são eles, os bandidos".

São momentos como esse em que chegamos a ficar sem saber o que falar. Em meio a uma troca de olhares, quem sabe rolasse um abraço ou coisa do tipo. Uma expressão de dúvida, assim como estamos agora, durante os momentos de lembrança e enquanto vamos digitando, aos poucos, o filtro da nossa experiência, pois... "(...) Ficarão em nossas memórias gravados instantes, que somente a gente poderá interpretar".

Isso é a extensão. É a Metamorfose Social.
Chegamos ao fim.

Gostaríamos, mais uma vez, de ressaltar o prazer que tivemos em poder participar dessa ideia e, assim, contribuir um pouquinho que seja com o desenvolvimento da mesma. "(...) Apesar dos contratempos, que são inevitáveis, foi uma experiência surpreendente."

A Equipe Frei Damião agradece.

* As "citações" colocadas no texto foram retiradas de algumas das nossas próprias postagens aqui no blog.

Por Equipe.
Escola Municipal Frei Damião

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Experiência pessoal

O principal objetivo da existência do Metamorfose é causar transformação na vida das crianças, levar a elas, através da comunicação, a oportunidade de sonhar e acreditar no sonho, temos o intuito de proporcionar uma nova visão de mundo para os pequenos, queremos que acreditem que sim, eles podem ir muito longe. Mas eu não gostaria de ressaltar apenas a impressão das crianças quanto ao programa, mas um pouco da minha experiência.

Esses últimos meses têm sido bem complicados pelo estresse e correria do cotidiano, o Metamorfose significou pra mim uma ‘salvação’, cada momento que passo com as crianças é um estímulo a mais para acreditar que, apesar dos problemas e de tantas circunstâncias contrárias apresentadas pelo mundo, como a pobreza, a desigualdade social, a intolerância e etc, temos motivos para continuar acreditando e lutando por uma realidade mais justa. Emociono-me cada vez que me ponho a conversar com algumas das crianças e conheço um pouco da realidade cruel em que vivem que muitas vezes é uma realidade de violência, de pobreza, desmotivação; e apesar de tantas situações difíceis e contrárias elas são fortes, porque carregam em si o brilho da inocência, da esperança, da força... Mais do que nunca tenho entendido e refletido o porque do cuidado que a sociedade deve ter com as crianças. São elas, quando crescem, que constroem as estruturas da sociedade, e só conseguem fazer essas construções a partir daquilo que lhe são oferecidos quando pequenos.

E nisso o Metamorfose tem sido eficiente e tem mostrado responsabilidade social, porque tem contribuído para a valorização da força e importância das nossas crianças, através do conhecimento dos meios de comunicação temos tentado levar as crianças motivação, valorização e carinho. Estar no Metamorfose junto aos pequenos é ter oportunidade de lutar por uma Alagoas mais igualitária, e isso não tem preço. Conhecer de perto a realidade das crianças tem me proporcionado ser uma pessoa mais reflexiva, grata a vida e com muito mais esperança na transformação da nossa sociedade, porque eu acredito nas nossas crianças, na sua força e que se todos olharmos para elas com um olhar de amor e cuidado estaremos cuidando do futuro do nosso país.

Por Rosiane Martins
Escola Estadual Francisco de Melo.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Futebol!

Futebol! Palavra mágica dentre os homens em sua maioria. Quando proferida todos voltam para ela toda a sua atenção e admiração. É incrível o poder influenciador do futebol, este que é tido como umas das identidades nacionais do nosso Brasil. Afinal, não é por menos que temos o melhor do melhor do mundo que é o eterno Rei Pelé.

Em geral, são domingos e quartas enfrente ao televisor, sem direito a piscar os olhos. Ou ainda, para aqueles que não largam mão de assistir no calor do estádio, presenciando pessoalmente todos os lances de uma partida.

Futebol! Assunto unânime dentro da sala de aula entre os meninos. Pergunta-se, o que vocês mais gostam de fazer? A resposta… já era de se esperar… "Jogar bola, tia!" Mais uma pergunta, qual a profissão que vocês querem seguir? Eles dizem Jogador de Futebol.

É num campinho de grama seca e de traves enferrujadas, que de segunda a sexta incansavelmente todos os dias que eles brincam e se divertem. A estrela de todas as partidas é uma bolinha velha, já aos trapos, apelando por aposentadoria!

É meio dia, estamos retornando para casa depois de finalizadas as atividades de mais um encontro. Algo chamou atenção. Um terreno enorme, temporariamente sem ninguém, com àquelas mil traves, fincadas no chão, ao sol…

E para finalizar, vamos com mais uma Partida de Futebol!

Skank – Partida de Futebol

Bola na trave não altera o placar
Bola na área sem ninguém pra cabecear
Bola na rede pra fazer um gol
Quem não sonhou ser um jogador de futebol?

A bandeira no estádio é um estandarte
A flâmula pendurada na parede do quarto
O distintivo na camisa do uniforme
Que coisa linda, é uma partida de futebol

Posso morrer pelo meu time
Se ele perder, que dor, imenso crime
Posso chorar se ele não ganhar
Mas se ele ganha, não adianta
Não há garganta que não pare de berrar

A chuteira veste o pé descalço
O tapete da realeza é verde
Olhando para bola eu vejo o sol
Está rolando agora, é uma partida de futebol

O meio campo é lugar dos craques
Que vão levando o time todo pro ataque
O centroavante, o mais importante
Que emocionante, é uma partida de futebol

O goleiro é um homem de elástico
Só os dois zagueiros tem a chave do cadeado
Os laterais fecham a defesa
Mas que beleza é uma partida de futebol

Bola na trave não altera o placar
Bola na área sem ninguém pra cabecear
Bola na rede pra fazer um gol
Quem não sonhou ser um jogador de futebol?

O meio campo é lugar dos craques
Que vão levando o time todo pro ataque
O centroavante, o mais importante
Que emocionante, é uma partida de futebol!


Por Viviane Araújo
Escola Municipal Selma Bandeira

sábado, 10 de dezembro de 2011

"Ao Metamorfose, com Carinho"

Na última visita feita a Escola Frei Damião, uma das alunas mais participativas do programa chegou perto de mim (e da Keren) e perguntou:

"É verdade que eu saí do projeto?"

A gente se olhou de forma surpresa e, em seguida, respondeu:

"Não, quem te disse isso?

Um certo desespero em seu olhar que na sequencia se tornou em alívio fez com que eu parasse pra pensar e perceber, mais uma vez, a importância desse programa na vida desses pequenos.

Quando decidi embarcar nesse projeto, realmente, não poderia imaginar o que estava por vir. E nem o que poderia acontecer. Lembro até hoje do quanto estava nervoso com a primeira visita que iria fazer àquele colégio. Praticamente, um outro mundo. Um mundo novo. E que mundo, viu?

A importância do programa, com certeza, não se deu apenas na vida deles. Na minha vida, por exemplo, chegou como uma bênção. Não tenho palavras exatas para agradecer a oportunidade que tive de ingressar no Metamorfose. Já dizia o sábio: tudo o que é bom dura pouco. Pois é. Os dias passaram, os meses, tudo. E eu só tenho a agradecer pela oportunidade que tive de poder doar um pouco de mim a essa ideia maravilhosa.

A cada terça-feira de visita, a cada abraço apertado, a cada sorriso, a cada expressão de aprovação e felicidade com o que era apresentado, a cada demonstração de carinho que fez com que eu me reinventasse cada vez mais, aos meus mais novos sobrinhos dos quais pretendo levar comigo para sempre com muito carinho e, claro, a minha equipe Frei Damião, né... Não posso deixar passar em branco. Meninas, queridas... Vocês são demais. Contem comigo sempre!

E muito obrigado por tudo!

Por Deriky Pereira
Escola Municipal Frei Damião

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Educomunicação na Escola

Eu escolhi um texto que explica bem uma linha de estudo na área da Comunicação que tem tudo a ver com o que nós do Programa Metamorfose Social estamos vivendo. Podemos comparar o texto com a teoria e o Programa com a prática.

Espero que gostem queridos leitores!

Com a presença cada vez maior dos meios de comunicação social de massa nas nossas casas, foi possível compreender que a formação das pessoas não é mais uma tarefa exclusiva da família e da escola, tampouco de pais e professores.

O rádio e a televisão, em especial, influenciam muito na maneira que pensamos, sentimos e nos comportamos. Podemos afirmar até que esses dois meios de comunicação funcionam como uma espécie de escola paralela, porque ensinam, o tempo todo, para toda população, as coisas que precisamos querer comprar, o que devemos considerar bonito ou feio, o sotaque que devemos adotar, a quem devemos admirar ou rejeitar, as opiniões que convém termos sobre este ou aquele assunto.

Ou seja: a Comunicação tem uma relação muito forte e direta com a Educação. As relações entre essas duas ciências vêm sendo chamadas de Educomunicação, um campo novo do conhecimento, bastante singular.

A escola é um dos tantos espaços em que a Educomunicação pode acontecer. Os professores podem, por exemplo, promover atividades de leitura crítica que tenham como objetivo esclarecer como os meios de comunicação distorcem os fatos, para atender aos interesses de alguns grupos. Pode também oferecer condições para que, além de aprender a ler textos midiáticos, os alunos aprendam a produzir suas próprias mensagens.

Como entender o que é educomunicação, a partir dessas possibilidades? Vejamos: quando propomos que os alunos produzam comunicação na escola, estamos oferecendo oportunidade para que eles aprendam a expressar com maior desenvoltura o que pensam e sentem sobre temas de seu real interesse. Para conseguir dar conta dessa tarefa, eles terão que aprender a dominar timidez, confiar em si mesmo, usar as palavras de forma competente, além de passar a escutar com mais atenção o que eles e seus companheiros dizem.

Além disso, para conseguirem se comunicar com o público, não basta falar bem. O êxito da comunicação muito dependerá da qualidade técnica do trabalho. Para isso, os estudantes terão que aprender a usar adequadamente mesa de som, microfones, gravadores, computadores, câmeras de vídeo e fotografia, entre outros equipamentos.

Quando Educação e Comunicação se cruzam, assim, desse jeito, estamos realizando o que propõe a Educomunicação. Estamos formando os mais jovens para usar a comunicação como uma ferramenta poderosa para transformar sonhos em realidade, para contribuir para que cresçam altivos, autônomos e com capacidade de transformação, intervindo diretamente na realidade em que vivem.


Por Itamara de Almeida
Escola Estadual Francisco Mello

É bom ser criança!


É bom ser criança,
Ter de todos atenção.
Da mamãe carinho,
Do papai a proteção.
É tão bom se divertir
E não ter que trabalhar.
Só comer, crescer, dormir, brincar.
É bom ser criança,

Isso às vezes nos convém.
Nós temos direitos
Que gente grande não tem.
Só brincar, brincar, brincar,
Sem pensar no boletim.
Bem que isso podia nunca mais ter fim.

É bom ser criança

E não ter que se preocupar
Com a conta no banco
Nem com filhos pra criar.
É tão bom não ter que ter
Prestações pra se pagar.
Só comer, crescer, dormir, brincar.

É bom ser criança,

Ter amigos de montão.
Fazer cross saltando,
Tirando as rodas do chão.
Soltar pipas lá no céu,
Deslizar sobre patins.
Bem que isso podia nunca mais ter fim.

Toquinho

Por Viviane Araújo
Escola Municipal Selma Bandeira

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Obrigada...

Nossa! Como passou rápido... Já estamos na etapa final da realização do nosso projeto. Ou será que não? Será mesmo que é o final? Gosto de pensar que não, talvez esse seja só o começo. O começo de uma futura vida profissional, carregando na bagagem algumas pequenas e doces experiências. Isso sim justifica a extensão, não necessariamente uma experiência acadêmica, mas a oportunidade de experimentar... compartilhar... conhecer pessoas que marcam nossas vidas, ah, as marcas! Essas sim são as que com certeza ficam.

É... eu sei, essa conversa tá meio sentimental, mas é que até mesmo a extensão tem seu lado emocional. Não quero aqui fazer parecer uma despedida, como já disse esse é só o começo, mas é nesse clima que gostaria de agradecer a algumas pessoas especiais que estão sendo parte fundamental desse processo: Deriky Pereira, Elaine Gonzaga, Keren Fonseca e Nathália Calazans. Pois é, os membros (mais pacientes e dedicados, impossível) da equipe Frei Damião. Agradeço pelo belo trabalho que está sendo realizado, superando juntos os obstáculos, as distâncias e tudo o mais que poderia pôr em risco a concretização dos nossos objetivos.

Descobrir, se surpreender e construir juntos, não só parte de um projeto, mas também uma bela amizade que vou carregar sempre comigo. Tias e tio de pessoinhas que a cada semana nos ensinam algo especial. É mais do que um prazer, é contagiante trabalhar com vocês.

Por Pollyana Chicuta
Escola Municipal Frei Damião

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Reta final

Estamos já em nossa terceira etapa do Programa Metamorfose Social, etapa esta onde as crianças irão gravar programas de rádio, documentários. Uma escola trabalha stop motion, outra analisa o cotidiano das crianças ou a vida deles diante da escola. Cada equipe que compõe o programa dá o melhor de si para que as crianças terminem o esse período tendo algo positivo em suas vidas, temos a esperança que sermos o detalhe na vida de cada um para que desejem um futuro melhor.

Em cada visita que fazemos nós percebemos a empolgação de cada um perante um assunto que não conhecem, uma explicação que temos que dar duas ou três vezes para que eles compreendam, é algo muito interessante, em cada visita acontece algo diferente, eles aprendem coisas novas, se sentem mais curiosos, sentem sede de conhecimento, e talvez a transformação aconteça sem nem mesmo percebermos.

O tempo passa muito rápido, parece que foi ontem que estávamos procurando uma escola para podermos trabalhar, hoje olhamos para traz e já vemos a quantidade de visitas que fizemos a Elma Marques Curti, as amizades que já conquistamos a sementinha de conhecimento que plantamos em cada criança, o tempo passa é claro e o fato é que daqui a um pouco já teremos que nos despedir. A nossa equipe junto com as crianças e a professora fizemos uma visita a UFAL na semana passada, já estamos quase no dia de gravarmos o programa de rádio, depois já daremos continuidade ao estudo sobre documentário e assim por diante.

Daqui a algum tempo não teremos mais crianças com as quais trabalhar, não teremos que ir mais ao Bio, não teremos mais mini pessoinhas para nos perguntar o que é isto e o que é aquilo. A verdade é que em mim já bate uma saudade, pois o programa metamorfose social nos levou a um novo mundo, onde temos não só que aprender, mas também temos que nos preocupar com o que ensinar.

Por Mônica Santos
Escola Municipal Elma Marques Curti

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Nossos futuros substitutos

Na primeira oportunidade que tivemos, levamos alguns de nossos pequenos à universidade. Uma simples visita, pois, já que nós fomos tantas vezes à escola deles, nada mais justo do que retribuir a ação. Foi então que os alunos de nosso projeto conheceram nosso lugar de origem.

Pudemos reconhecer em seus olhos a descoberta do novo. Observavam tudo atentamente, prestavam atenção por onde passavam, olhavam muito e não falavam nada. Tímidos e curiosos. Tentamos falar da melhor forma possível sobre o que vivemos na universidade, para crianças cuja preocupação são os problemas da matemática!

Um pouco da técnica do rádio e da televisão foi o que oferecemos a ele... e pudemos ver na euforia deles, a diversão que só criança sabe sentir de verdade. A timidez logo deu lugar à liberdade e, sem perceber, as crianças estavam envolvidas com o som, a imagem e a comunicação.

Diversão foi a ordem do dia, dividida entre o rádio e a TV. Pudemos apresentar às crianças, um curso de Comunicação Social por um ângulo muito mais atrativo. E eles gostaram muito do que viram, se divertindo com pequenas coisas, que talvez os estudantes do curso nunca tenham notado.

A surpresa do dia surgiu na hora de ir embora, ao ouvir daqueles seres pequenos: “Não quero ir embora, quero ficar aqui mais tempo”. E pensar que várias vezes quisemos nem estar nesse lugar que encantou aqueles meninos e meninas. Ao constatar que eles gostaram de conhecer a universidade e que desejavam uma visita mais longa, me dei conta que, no futuro, eles nos substituirão. Daqui a alguns anos nós estaremos bem longe da universidade e eles estarão lá, nos nossos lugares.

Espero que eles cultivem esse desejo de ser parte de nossa universidade. E ficaríamos muito contentes, em saber que os alunos envolvidos no nosso projeto (alunos vindos de uma realidade carente de tudo), chegarão lá, e que mesmo de forma modestas, nós contribuímos para isso. A metamorfose social acontecerá...mas no momento exato.

Por Luana Marttina
Escola Estadual Francisco Mello

terça-feira, 29 de novembro de 2011

O sorriso de uma criança



O sorriso de uma criança revela afeto e grande calor humano!
É encanto!
Fantasia! Luz que vai se espalhando por
Todos os cantos transmitindo muita energia e bons fluidos!
O sorriso de uma criança é esperança de dias melhores,
de problemas resolvidos.
O sorriso de uma criança conquista países e atravessa fronteiras!
Une os povos!
Faz a humanidade ser mais caridosa!
O sorriso de uma criança é semblante de serenidade!
É noite de lua prateada clareando o caminho e realizando
Sonhos!
O sorriso de uma criança é como a varinha mágica
que transforma tudo que toca em riqueza e grande beleza!
É sino que badala! Prata que brilha!
Eterna melodia que faz sinfonia dentro de cada sensível coração!
O sorriso de uma criança é felicidade pra toda a vida e
Principalmente esperança de um mundo melhor!

De Antonio Marcos Pires - Rio de Janeiro


Por Viviane Araújo
Escola Municipal Selma Bandeira

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Hoje fizemos mais uma visita a escola Frei Damião. Ao chegar lá recebemos a notícia, de uma das alunas que estavam na porta, de que a professora havia faltado, logo, nenhum dos alunos de sua turma se encontravam na escola. Não fiquei surpresa, o fato já ocorrera outras vezes, mas a decepção foi inevitável. Nos olhamos, eu e o outro membro da equipe, sem sequer uma palavra houve uma longa conversa e a conclusão foi: mais um dia perdido...

Entramos para falar com a coordenadora pedagógica, sem muita expectativa, ela nos recebeu muito bem, nos sentamos e explicamos o que havia acontecido e da nossa decepção, porque esse fato iria atrasar todo o nosso cronograma. Ela nos ouviu com atenção. Algumas farpas atiradas na direção da professora, que já havia feito isso outras vezes foram inevitáveis, e em meio as nossas ponderações, desabafos, a conversa tomou outro rumo:

“Ela era uma de nossas alunas”

Fiquei surpresa, na verdade foi um misto de sentimentos: surpresa, agonia, remorso. A moça que há pouco tempo havia sido morta da maneira mais cruel e brutal, que teve seus braços e cabeça decepados, era uma aluna da Frei Damião. Não pude evitar lembrar as imagens que me foram mostradas de seu corpo e uma sensação indescritível tomou conta de mim...

Pensei nela como um dos nossos, no início do programa cogitamos a idéia de trabalhar com os jovens do EJA. Pensei e se tivéssemos mesmo escolhido alunos do EJA para o programa? E se ela fosse uma das selecionadas? E se eu tivesse construído um laço tão forte com ela, como o que construí com os pequeninos? Se tivesse conversado com ela, se ela tivesse me contado sobre seus filhos pequenos? Se tivesse me contado como era a vida na Frei Damião? Se tivesse me falado que estava cansada de ver tantas crianças sendo arrastadas para as drogas e que como não queria ver seus meninos nessa situação tinha resolvido tomar uma atitude, denunciar o que estava acontecendo? Qual teria sido aminha reação? A teria aconselhado a ir adiante ou recuar?

Eu sei que são muitas suposições, mas reconheçamos que nenhuma delas eram impossíveis. Admirei tanto aquela mulher, sua coragem. Por denunciar um esquema de drogas que acontecia na parte exterior da escola. Por velar, se preocupar e proteger seus filhos, ela foi punida. Para mim, e não importa o que digam os pasquins de plantão, ela foi uma mártir, para os que não sabem o significado, são aqueles que não se preocupam com a própria vida com tanto que não renunciem sua fé e suas crenças. Tenho certeza que a fé dela estava em seus filhos.

Senti vergonha de ficar decepcionada e com raiva de algo tão efêmero, havendo tanta gente que tem que conviver com histórias como essa todo o santo dia. Termino meu desabafo com uma frase que uma das crianças da minha equipe soltou em meio a uma conversa, que expressa o descontentamento e a falta de perspectiva: Aqui é assim tia, quem faz a lei são eles, os bandidos.



Por Keren Lima
Escola Municipal Frei Damião

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

A felicidade de um sorriso!

Já estamos quase no fim de novembro e um longo caminho foi percorrido até aqui. Muitas experiências vividas, muitas atividades desenvolvidas e já estamos sofrendo com o momento da despedida.

Estamos desde agosto realizando visitas regulares à Escola Elma Marque Curti, porém ontem nós é que fomos visitados. Nossas crianças (pois é, elas já são nossas!) vieram até o COS/UFAL conhecer nossa rádio, que com todas as dificuldades já é como um mundo novo para elas. Nós desenvolvemos atividades de gravação de voz, e como as vozes daquelas crianças são lindas! Cada um do seu jeitinho, lendo o texto que escolheu ler, da forma como quis, muito fácil, com naturalidade... Outros superando a timidez, mas todos com dedicação e vontade. Isso foi o mais bonito de ver, todos eles, a seu modo, se esforçaram, deram o melhor de si, capricharam... Superaram as dificuldades de leitura, o nervosismo, a timidez e arrasaram! Depois dos exercícios de gravação foi a hora do lanche, a hora mais feliz! Tão lindos, comportadinhos, cada um no seu canto... Aí foi nossa vez de preparar mais uma surpresa.

Enquanto eles estavam ali comendo nós exibimos as imagens da nossa primeira visita à escola. E que emoção foi! Pra eles e pra nós! Enxergarmos-nos, perceber como mudamos, como já estamos mais entrosados... Foi feliz! Deu orgulho! Mostrou o valor de todo o esforço, de todo o cansaço... De toda a doação que qualquer projeto de extensão exige de nós!

O melhor foi perceber que não éramos apenas nós que estamos felizes com o que está sendo realizado. Eles também estão! Não só as crianças, mas a querida professora Amélia (*-*) que tanto nos ajuda! Vimos que a felicidade era geral! Vimos que o nome deste projeto não é METAMORFOSE à toa. A felicidade de cada sorriso ontem nos provou isto!!!

Por Déborah Moraes
Escola Municipal Elma Marques Curti

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Dizes que sou o futuro, Não me desampares no presente. Dizes que sou a esperança da paz, Não me induzas à guerra. Dizes que sou a promessa do bem, Não me confies ao mal.

Dizes que sou a luz dos teus olhos, Não me abandones ás trevas. Não espero somente o teu pão, Dá-me luz e entendimento.

Não desejo tão só a festa do teu carinho, Suplico-te amor com que me eduques. Não te rogo apenas brinquedos, Peço-te bons exemplos e boas palavras. Não sou simples ornamento de teu carinho,

Sou alguém que te bate à porta em nome de Deus. Ensina-me o trabalho e a humildade, o devotamento e o perdão. Compadece-te de mim e orienta-me para o que seja bom e justo. Corrija-me enquanto é tempo, ainda que eu sofra… Ajude-me hoje para que amanhã eu não te faça chorar.

( Meimei )

Por Bruna Albuquerque
Escola Estadual Francisco de Mello

AQUARELA


Numa folha qualquer
Eu desenho um sol amarelo
E com cinco ou seis retas
É fácil fazer um castelo...

Corro o lápis em torno
Da mão e me dou uma luva
E se faço chover
Com dois riscos
Tenho um guarda-chuva...

Se um pinguinho de tinta
Cai num pedacinho
Azul do papel
Num instante imagino
Uma linda gaivota
A voar no céu...

Vai voando
Contornando a imensa
Curva Norte e Sul
Vou com ela
Viajando Havaí
Pequim ou Istambul
Pinto um barco a vela
Brando navegando
É tanto céu e mar
Num beijo azul...

Entre as nuvens
Vem surgindo um lindo
Avião rosa e grená
Tudo em volta colorindo
Com suas luzes a piscar...

Basta imaginar e ele está
Partindo, sereno e lindo
Se a gente quiser
Ele vai pousar...

Numa folha qualquer
Eu desenho um navio
De partida
Com alguns bons amigos
Bebendo de bem com a vida...

De uma América a outra
Eu consigo passar num segundo
Giro um simples compasso
E num círculo eu faço o mundo...

Um menino caminha
E caminhando chega no muro
E ali logo em frente
A esperar pela gente
O futuro está...

E o futuro é uma astronave
Que tentamos pilotar
Não tem tempo, nem piedade
Nem tem hora de chegar
Sem pedir licença
Muda a nossa vida
E depois convida
A rir ou chorar...

Nessa estrada não nos cabe
Conhecer ou ver o que virá
O fim dela ninguém sabe
Bem ao certo onde vai dar
Vamos todos
Numa linda passarela
De uma aquarela
Que um dia enfim
Descolorirá...

Numa folha qualquer
Eu desenho um sol amarelo
(Que descolorirá!)
E com cinco ou seis retas
É fácil fazer um castelo
(Que descolorirá!)
Giro um simples compasso
Num círculo eu faço
O mundo
(Que descolorirá!)


Composição: Toquinho e Vinicius de Moraes


Por Viviane Araújo

Selma Bandeira

sexta-feira, 18 de novembro de 2011


Pois é...

Criatividade é um negócio para poucos. Dizem que quando as pessoas nascem, elas já nascem com alguns dons. Esse é um deles.

É surpreendente ver o quanto as crianças se entregam às nossas propostas. Surpreendente e gratificante. O envolvimento dos grupos com os assuntos que lhes são apresentados – e isso, claro, vendo todo o passar do tempo – fica cada vez melhor.

E falando em tempo...

Estamos correndo contra ele para que, com todas as ideias e a explosão de criatividade que vemos e ouvimos ao acompanhar as nossas crianças, o nosso trabalho possa ser concluído com sucesso.

É uma soma. Um misto de ideias. Uma troca de experiências.

Uma metamorfose. É a Metamorfose Social.


Escola Municipal Frei Damião

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Um olhar diferenciado.

Eu me lembro bem... Eram momentos tão especiais, a felicidade existia nas pequenas coisas, nos pequenos gestos, nas coisas mais simples da vida. O mundo se restringia a imaginação, e eu seguia, porque acreditava que o amanhã ia chegar e junto com ele ia trazer os meus sonhos realizados. Quando crianças nos movemos pela simples alegria de viver, ainda que inconsciente somos tomados pela esperança ; Como sinto falta daqueles dias,a infância é uma época que a vida parece uma simples brincadeira , em que brotam muitos sonhos e a esperança de um amanhã melhor .

E é isso que a “metamorfose” tem proporcionado: Esperança. É emocionante estar com aquelas crianças e perceber que através do nosso instrumento de trabalho, que é os meios de comunicação, podemos levar alegria e incentivo aos pequenos que vivem uma realidade de pobreza e desmotivação.

É fato que vivemos num ambiente complicado, afinal, vivemos no estado com maior índice de violência, analfabetismo e pobreza, mas também é fato que se toda a sociedade tivesse um olhar especial e investisse nas nossas crianças, estaríamos caminhando para uma sociedade mais justa, humana e igualitária.

É emocionante e gratificante fazer parte da “metamorfose’’, sinto que estamos fazendo a diferença e esse é o nosso maior desafio, levar esperança e fazer com que as crianças sintam que, apesar das circunstâncias e de tudo ao redor dizer o contrário é importante acreditar no sonho, e o meu sonho é que todos possam olhar com carinho e cuidado para as crianças do nosso Brasil, porque o futuro depende dos pequeninos, e os pequeninos dependem de nós.

Por Rosiane Martins
Escola Estadual Francisco de Mello

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

A criança ainda vive

A cada dia, esse projeto faz com que nós, alunos e antes disso, seres humanos, possamos vivenciar um pouco do que essas crianças vivem, um pouco dos seus sonhos, desejos e carências. Vimos a realidade muitas vezes difícil e vimos também que há esperança em cada rostinho daquele. A esperança de se tornar alguém quando grande e principalmente de ser alguém. Nesse projeto, que é uma “metamorfose social”, faz também um resgate do pessoal, onde doamos poucas de nossas horas, para também ser criança de novo e incentivadores de outras que querem crescer como a gente e ir em busca de um sonho.

Vamos sim, buscar sempre incentivá-los sem esquecer que a criança que há em nós, ainda vive! Porque apesar daquele olhar triste e vazio, ainda conseguimos sentir a pureza do sorriso dessas crianças.

Por Tereza Luana
Escola Municipal Selma Bandeira

O tempo passou...
E a criança que um dia fomos, ficou lá atrás.
Novas responsabilidades vieram fazer parte da nossa vida.
Conhecemos outras sensações.
A vida nos trouxe conquistas e perdas.
Muitos foram os aprendizados que chegaram ao nosso destino.
Outros sorrisos e lágrimas também.
A ingenuidade se perdeu em uma das curvas do caminho.
As bolas e as bonecas perderam o seu lugar de destaque.
As aventuras tornaram-se outras.
O mundo super fantástico se tornou o mundo dos adultos.
A fantasia pouco a pouco foi sendo substituída pela responsabilidade.
As coleções de figurinhas e bolinhas de gude também foram esquecidas.
Sim, o tempo passou.....
Mas as lembranças daquele tempo tão belo, ah, essas não se apagam, continuam vivas e eternas dentro do nosso íntimo.
E a qualquer momento, podemos relembrá-las, basta apenas abrir as portas do nosso íntimo.
E redescobrir a criança que um dia fomos....
Criança que tinha medo do escuro, mas que pouco a pouco, percebeu que nenhuma escuridão nos fará mal, se mantivermos nossa confiança.
Criança que talvez tivesse tanta dificuldade para aprender a amarrar o cadarço do sapato, mas com perseverança, não desistiu e um dia conseguiu.
Criança que caiu muitas vezes, chorou, teve cicatrizes, mas nunca ficou eternamente no chão, logo, logo, levantava e ia buscar outros horizontes.
Criança que curiosa, nunca se cansava de querer descobrir o mundo, pois acreditava em seu potencial.
Criança que se assustava com as expressões matemáticas, mas ao invés do desânimo, se aliava à determinação, descruzava os braços e encontrava um meio de vencer o desafio.
Criança que brigava com os coleguinhas, mas jamais guardava a mágoa por muito tempo e depressa, fazia as pazes e saia a brincar.
Criança que chorava diante das derrotas, mas não pensava em abandonar e depois do choro, voltava a gargalhar e a buscar por outras vitórias.
Criança que temia muitas coisas, mas em nenhum momento, permitiu que esse medo lhe paralisasse os passos.
Criança que tinha pavor de trovão, mas depois, aprendeu que nenhuma tempestade por pior que seja, é eterna e assim continuou a acreditar que o sol sempre voltaria.
Criança que ficou de castigo, se revoltou, mas com o tempo, compreendeu que os aprendizados são necessários e foi amadurecendo.
Criança que soltava pipa e compreendia que não tinha asas para voar, mas que isso não a impediria de conhecer novos horizontes.
Criança que se machucou nas pedras, mas não largou as brincadeiras.
Uma criança que acreditava em seus talentos e se via como um super herói.
Criança que enfrentou doenças, mas não perdeu o seu sorriso.
Criança que teve inúmeras dificuldades, mas jamais deixou que a esperança se apagasse.
Criança que conheceu o sofrimento, mas teve a ousadia de encará-lo e enfrentá-lo.
Criança que presenciou a discórdia, mas que diante de um simples gesto de carinho, retribuía com amor.
Sim, uma criança que muito viveu.
Uma criança que cresceu...
E uma nova vida surgiu...
E agora fica a pergunta:
"Onde está a criança que um dia fomos? A coragem, a audácia, a confiança, a fé, a alegria, o amor e perseverança foram parar aonde?"
Meus queridos, a criança que um dia fomos, encontra-se dentro de nós, adormecida, porém com a mesma força de outrora.
Com a mesma garra para enfrentar as adversidades, sejam elas quais forem.
Com a mesma alegria, para caminhar e contemplar a beleza da vida.
Despertemos essa criança que há dentro de nós, voltemos a acreditar em nosso potencial e principalmente a acreditar que podemos sim, reescrever a nossa história.
Não interessa o que já cometemos, os deslizes vividos e desatinos praticados, mas sim, a real vontade de trilhar um novo rumo.
Façamos como aquela criança que não cruzava os braços e corria, pulava e gritava, enfim, vivamos intensamente, abraçando a renovação e seguindo o caminho, cada vez mais confiantes.
Confiantes, porque assim triunfaremos.
Nos momentos de tristeza, lembremos da força que aquela criança sempre trazia consigo e iremos nos fortalecer para vencer as provas apresentadas.
Nos momentos de desespero, recordemos da criança que sempre aparecia com uma novidade, que se aliava à imaginação e coloria o mundo e com isso, não nos sintamos vencidos pelas tormentas, tenhamos fé e optemos sempre pela vida, porque ela sempre se renova.
Despertemos a criança que está e sempre estará dentro de nós.
Vivemos num mundo de adultos, mas não deixemos que a coragem, a doçura e a fantasia que um dia estiveram conosco, se percam em nosso dia a dia.
Caminhemos com a doce alegria tão comum aquela criança que não deixava de sorrir e jamais se sentia derrotada.
Busquemos os bons sentimentos vividos no passado e com eles, descubramos que ainda temos muito mais a viver e abramos as nossas janelas, para que a luz adentre.
Busquemos também, a criança de ontem, para que ela possa voltar a colorir nosso mundo e compreendamos que nessa existência ainda há muito a ser realizado.
Acreditemos, porque a criança ainda vive e sempre viverá dentro de nós.
E com a sua força, tenhamos o comprometimento diante da vida.
Porque a vida espera por nós.
Tenhamos fé, fé em nosso potencial e no Pai que não nos desampara.

Por Sônia Carvalho

sábado, 12 de novembro de 2011

O que vejo na imagem...


Nosso olhar tende sempre para centro da página, em seguida vai para a direita.

A luz faz com que uma criança fique em foco, ela parece ter notado que algo está apontado para ela.

Logo percebo que a menina está com a mão na boca e seus olhos expressam algo.

Meu olhar segue a esquerda, vejo pessoas estáticas, sacolas , roupas, e as cabeças?

Não dá para saber quem é.

Essa observação faz com que eu permaneça com o olhar neste lado.

Noto uma simplicidade em tudo até na forma se segurar a sacola.

Esperando por algo, é no que posso pensar.

Volto para menina, noto que ela espera também, outra pessoa no fundo faz a mesma coisa, o que será, então?

Esperamos por tanta coisa nesta vida, por direito a educação, saúde pública... enfim... a luta diária continua e meu olhar também a observar.

A imagem um pouco escura parece deixar a situação ainda mais fria.

A menina parece querer falar, esses corpos estáticos a conhece?

Mas duas coisas estão na mesma altura da menina, as sacolas...

Uma sacola branca e uma preta com baldes. Eles podem passar facilmente despercebidos pelo nosso olhar...

O conteúdo que preencherá os baldes é o mais relevante,

Todos esperam, esperam e esperam...

Por algo que o recorte de um instante não explicou:

Pela sopa.

Essa fotografia foi capturada por mim em 15 de setembro do ano passado. Ela mostra a realidade das pessoas que esperam em filas nas comunidades por um prato de sopa. Neste caso, o espaço da entrega era no Feitosa. Não tenho a informação se a distribuição de sopa neste bairro continua, mas queria ressaltar que nosso trabalho nas escolas será como essa imagem. Ficarão em nossas memórias gravados instantes, que somente a gente poderá interpretar. Nós sabemos qual o nosso propósito de encontrar toda a semana as crianças nas escolas e vamos mostrar o objetivo, porém o que cada um tirará de todo esse aprendizado será diferente.

Por Elaine Gonzaga
Escola Municipal Frei Damião

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Estamos indo muito bem!

Enfim, terminamos os filmes em Stop Motion. Os alunos ficaram muito satisfeitos em ver o resultado de seus trabalhos. Ao longo do mês de outubro e início de novembro produzimos de maneira até um pouco exaustivas 4 pequenos filmes em Stop Motion. Havia um certo receio de que eles não gostassem dos filmes, ou achassem chato de fazer. Porém o resultado foi ótimo. Eles ficaram super empolgados e se divertiram muito. Formamos uma verdadeira equipe, nós e eles.



Esperamos que a próxima etapa seja um pouco mais tranqüila e de fato será. Agora vamos entrar em uma parte mais teórica do processo e buscaremos com isso perfis para se trabalhar na etapa de Rádio Jornalismo.






Por Mayra Pires
Escola Estadual Aquilina Bulhões

terça-feira, 8 de novembro de 2011

O poder de um esmalte

Ao ver uns olhos cabisbaixos, tristes, que chegam até a mim, preocupo-me e questiono:

- O que aconteceu?
- Tia, você trouxe o esmalte?
- Ah! Ô meu amor, a tia esqueceu de verdade! Da próxima vez a tia traz, certo? Vamos fazer a atividade agora...

Explicando a atividade, mas a cabeça com um turbilhão de pensamentos e preocupações. De repente, me vem um. "Como ela ainda lembra? Faz tanto tempo que falei isso, quase um mês..."

Ao final, momento de despedida com direito a beijos e abraços afetuosos, carentes de carinho, ternura.

Um cochicho no ouvido:
- Tia, não esquece não tá? Da próxima vez traga!
Vejo um sorriso e retribuo dizendo:
- Tá certo, pode deixar!

Pisco o olho, me despeço e deixo para trás, com o coração partido, dezenas de crianças que esperam pelo novo a cada dia. Que aguardam alguma mudança em suas respectivas vidas que lhes tirem o fôlego e façam brotar sorrisos sinceros e espontâneos no rosto ao amanhecer. E melhor ainda, que perdurem durante todo dia, até a chegada da lua, mesmo que não reparem nela e nem saibam em que fase ela está.

Depois deste dia, comprei o esmalte. Está aqui na minha casa e olho para ele todos os dias. Não vou esquecer. Nem tem como. Ele me leva às crianças e aos momentos alegres que vivemos, aos sorrisos que sorrimos.

Depois deste fato, percebi uma única coisa: como sou pequena. Não no tamanho, isso já se faz impossível, no interior mesmo. Como tenho coisas que para mim são minúsculas, mas para eles são enormes.
O exemplo citado foi um esmalte. Penso, querido leitor, em quantos outros sonhos maiores eles têm... Maiores para eles, quem sabe até impossíveis. Mas, para nós tão próximo da realidade.
Não há como negar esse choque de culturas e poderes aquisitivos. Existe, e me desculpem a pitada de sinceridade, sempre vai existir. Porém, a mudança parte de nós. Mudança interna.
A partir do momento que a gente se humaniza, o modo de ver mundo ganha outro ângulo e isso, ah, já é um grande passo.
Um abraço e um beijo para a Extensão.

Itamara de Almeida
Escola Estadual Francisco Mello

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Coragem, Criança!

Pensamento de criança é massa de modelar, nunca tem a mesma forma.
Tudo de mentirinha, a cobra, o caracol.
Tudo multicolor, o elefante colorido, a amarelinha de giz branco.
E de mentirinha a vida ia sendo feita...
Era preciso que a boca fosse um porta-aviões.
Que o escuro fosse um bicho-papão.
Que o dente fosse para cima do telhado.
E de verdades a vida foi sendo feita...
Nem sempre se é café-com-leite.
Algumas vezes a cabra-cega é você.
Se você é par, dá ímpar e se é ímpar, dá par.
Depois do agú, você é o primeiro a ser descoberto.
Então, o tempo te pega e consegue correr mais rápido.
Seu Rei mandou dizer... que fosse adulto.
Entre encontros e desencontros, chegadas e partidas, perdas e ganhos...
Enxergar as morais das histórias que as fases da vida ensinam é um dos melhores presentes.
Ser criança é saber renovar as energias de hoje para acordar no outro dia e fazer tudo de novo.
É saber dividir, esperar a vez de entrar no jogo e, também, a vez de sair.
Mais que isso, é compreender que compartilhar é preciso.
É preciso dividir sorrisos, tristezas e tudo o mais que não caiba em um único peito.
É ter a vontade de querer cada vez mais.
Melhor, a coragem de continuar, sempre.

Por Sara Basan
Escola Estadual Selma Bandeira

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

APRENDA COM AS CRIANÇAS



Os adultos desejam ensinar tudo às crianças. Quando elas iniciam a balbuciar, não se cansam de repetir as palavras, a fim de que elas aprendam a falar de forma correta.Nós lhes ensinamos o alfabeto, os números, as cores. Mergulhamos com elas nos livros, auxiliando-as a descobrir as maravilhas do macro e do microcosmo. Somos os mais experientes porque já vivemos alguns anos a mais do que elas.

Contudo, existem lições de sabedoria que essas criaturinhas nos ensinam, todos os dias. Quando uma criança se machuca, não importa se é um pequeno ou grande machucado, ela logo chora e procura o colo da mãe. Chorando, ela informa que está doendo, que aquilo a está incomodando muito. Buscando o colo da mãe, ela deseja ser acarinhada, confortada, auxiliada.

Lição para o adulta: você não precisa suportar a dor sem chorar. E procure alguém em quem você confia para ajudá-lo. Pode ser um amor precioso, ou um amigo, um irmão. Enfim, alguém que lhe dê a mão.

Quando uma criança cai de um brinquedo e quebra o braço, nem por isso deixa de, ainda com o braço engessado, subir no mesmo brinquedo. Deseja provar que é capaz, que consegue, que vai vencer. Ensina, desta forma, que não se deve desistir porque o negócio não deu certo ou porque foi reprovado em teste de seleção em uma empresa. O importante é não se deixar abater e continuar a tentar, até conseguir.

Quando uma criança está com sono, ela se aconchega, fecha os olhinhos e dorme. Se o coelhinho perdeu uma orelha ou o carrinho quebrou, assim mesmo ela dorme. E no sono, se permite sonhar. Sonha com lugares lindos, bolas coloridas, muitos brinquedos, sorvete, brincadeiras e amigos.

Nova lição para o adulto: se seu corpo assinala que está na hora de dormir, atenda-o. Recolha-se ao leito e descanse. Depois, você recomeçará as tarefas, e muito melhor.

Não se permita a insônia por causa de coisas materiais. Se os índices da bolsa oscilaram, ou se sua conta não apresenta tantos dígitos, durma mesmo assim. Seu corpo precisa recuperar as energias pelo repouso. Depois, você retornará às lutas, ao trabalho, às melhores decisões.

Quando uma criança brinca, ela se permite entrar em seu mundo de faz-de-conta e mergulha por inteiro. Ela fantasia, fala com seus bichinhos e bonecos, cria histórias, sonha de olhos abertos. Ela é o homem que voa, o dono de uma grande fazenda cheia de animais, o astronauta a caminho do infinito. Não há limites para a sua imaginação. E isso a satisfaz, a faz feliz. Com isso, diz ao homem que ele nunca deve deixar de sonhar e de perseguir os seus sonhos. Que deve se concentrar em seus desejos e perseverar. Tudo é possível àquele que trabalha, prossegue, não desiste.

A criança é alguém que nos diz, todos os dias, que é bom viver, que o mundo é belo e que não há limites para a mente humana. Ela nos afirma, com seu jeito de ser, que podemos sonhar, sem perder a esperança; Que podemos sofrer reveses, sem cair no desânimo; Que podemos preservar a saúde, mesmo que adversidades nos envolvam. Enfim, ela nos ensina que a esperança deve brilhar sempre em nossos olhos. Isto porque depois deste dia, o sol despertará o amanhã e tudo terá o brilho do novo, do não conquistado, da alegria ainda não fruída. 
 
Fonte do texto: Site Momento, Jô.

Por Nathália Calazans Correia
Escola Municipal Frei Damião

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

O que é extensão?

Some professores acadêmicos, graduandos, escolas da rede pública do estado de Alagoas e centenas de crianças. Somou? Aposto que você ainda não entendeu, apesar da simplicidade da resposta. A solução da equação, nada mais é, do que uma unidade de valores, interligado pelo laço da benevolência, que, através do nó da extensão, origina o Programa Metamorfose Social bem atado na sua reta final.

Talvez extensão seja isso. Derrubar o muro superficial e puramente acadêmico que tínhamos e nos dedicar, de corpo e alma, na razão e emoção, no “ato ou feito de estender ou estender-se”, como bem definiu o dicionário Michaelis. Estender a universidade, juntando-se a comunidade numa troca de conhecimento, dando humanidade às teorias aprendidas na sala de aula que, se não forem vivenciadas, não passam de um conjunto de palavras e frases escritas.

É desse jeito que a equipe da Escola Elma Marques Curti entende o que extensão. Sempre nos reunimos, discutimos, trocamos ideias e compartilhamos experiências que enriquecem ainda mais a nossa inteira dedicação ao programa. Apesar das dificuldades, conseguimos realizar o nosso trabalho com maestria, e a recepção acalorada das crianças a cada visita realizada é o reconhecimento que nos motiva ainda mais. 

Por Salmom L. Monteiro
Escola Municipal Elma Marques Curti

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Experiência Ímpar

Quando nos dispusemos a participar do Programa Metamorfose Social não tínhamos a idéia exata do quão importante seria essa experiência em nossas vidas. Conhecíamos a proposta do novo projeto, mas não podíamos prever como esse contato com uma esfera diferente da nossa, iria nos modificar tanto. Saber que trabalharíamos com crianças de uma comunidade era instigante e desafiador, pois tínhamos a certeza de que entraríamos num terreno incerto para nós.

Havia a expectativa do primeiro encontro, ver o local para onde iríamos conhecer os alunos que fariam parte do programa, presenciar um pouco das dificuldades com as quais eles já estão acostumados. Encontramos um lugar que eles chamam de escola, o segundo lar deles, pois é onde passam a maior parte do dia. Junto dessa segunda casa encontramos também a precariedade, a carência de tudo e principalmente a vontade de ensinar e de aprender.

Podemos dizer que em meio as dificuldades (que não são exclusividade apenas a escola em estamos), encontramos pequenos tesouros. Chegamos de repente no território deles e fomos recebidos com sorrisos, abraços e muita curiosidade. As crianças são enérgicas, falantes, barulhentas, como toda criança deve ser em sua infância. Mas também são participativas, comunicativas, atenciosas, tudo da maneira delas. Elas vivem num lugar que não as favorece e mesmo assim, a nossos olhos, são encantadoras e não há como não chamá-las de “nossas crianças”.

Comunicação foi o que oferecemos às crianças, que nos corresponderam com participação ativa e muitos abraços na hora da saída. O que mostramos a elas é muito pouco do que sabemos, mas elas aproveitaram ricamente desse pouco que pudemos repassar. Mudar a rotina delas durante uma manhã é algo enriquecedor para elas e muito gratificante para nós. Gostamos de as ouvirelas perguntando quando voltaremos... é muito bom saber que aqueles seres pequeninos aguardam a nossa volta!

No fim do programa, restarão vídeos, programas de rádio, fotografias, relatórios e muitas lembranças. Em nós, restarão as histórias e a saudade de crianças que sabem apenas o nosso nome, mas que conseguiram nos propiciar uma experiência que, nos quatro anos de universidade, não seria possível. Ver a forma como elas nos recebem e se alegram com coisas tão simples, nos faz repensar nas pessoas que nos tornamos e percebemos que somos seres pequeninos perto delas. Também questionamos como será o futuro delas, que adultos elas se tornarão, vivendo no meio em que vivem? Qual será o futuro delas?

A única certeza que temos é a de que uma metamorfose aconteceu em nós...

Por Luana Marttina
Escola Estadual Francisco Mello

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Inocência

Ver a inocência das crianças alegra-me Faz-me acreditar no futuro Em seres humanos melhores Vez em quando a criança que existe em mim Vem para fora Embriaga meu jeito de ser Simplicidade de ser gente simples Toma conta de mim Torço para que as crianças de agora Vigorem nos adultos do futuro Só assim o mundo será melhor A cada gesto nascido da inocência Da vontade de fazer prevalecer Simplicidade há de ser a resposta Que o mundo tanta procura. de Ibeane Campos Moreira



Por Bruna Albuquerque
Escola Estadual Francisco Mello

Ser criança é...

Vivenciar cada momento, cada emoção como se fosse a última.
Saber sorrir mesmo quando a brinacadeira acaba.
Ter em mente um futuro perfeito, cheio de amor e carinho.
Poder ter a capacidade de enxergar a bondade e alegria acima de qualquer sentimento.
Sorrir para o colega ao lado mesmo depois de uma briga sem motivos.
Desejar acordar no dia seguinte, ir e vir da escola e brincar ao resto do dia.
À espera por aquele presente tão desejado o ano inteiro.
Ter o direito de nascer, crescer. brincar, estudar e ser amado por sua família.
Ter o dever de cumprir com suas responsabilidades como criança e respeitar os mais velhos.
Chorar depois de um tombo e se levantar logo em seguida voltar a brincar.
Não ter a maldade de gente grande no coração.
Dançar músicas em público sem sentido e falar coisas sem muito nexo.
Sentir-se o máximo ao receber um elogio por fazer algo certo.
Poder viajar, passear e dormir até tarde quando se estar em férias.
Ficar banguelo(a) quando se tem em média sete anos de idade.
É poder comer guloseimas sem a preocupação de vier a engordar.
Achar que qulaquer doença ou problema com nome esquisito está assemelhado ao Bicho Papão.
Fingir uma dor de barriga momentânea para matar um dia de aula.
Curar gripe comendo doces.
E por fim, ser criança é ter a dignidade de ser verdadeiro, ser alheio as adversidades do mundo, sorrir ao ínves de chorar, e acreditar em um mundo melhor, em que Papai Noel traz presentes no fim do ano e acreditar que só o amor é capaz de tudo.

Por Emanuele Santos do Amor Divino
Escola Estadual Selma Bandeira
Ser Criança
de Gilberto dos Reis

"Ser criança é acreditar que tudo é possível.

É ser inesquecivelmente feliz com muito pouco

É se tornar gigante diante de gigantescos pequenos obstáculos

Ser criança é fazer amigos antes mesmo de saber o nome deles.

É conseguir perdoar muito mais fácil do que brigar.

Ser criança é ter o dia mais feliz da vida, todos os dias.

Ser criança é o que a gente nunca deveria deixar de ser."


Ao trabalhar com crianças você meio que se abre para outro mundo, um mundo do qual você já fez parte e adorava. É muito difícil você perguntar a uma pessoa se ela quer voltar a ser criança e ela dar uma resposta negativa, todos querem deixar suas preocupações, seus problemas e voltar a viver sem pensar em nada. Lidar com crianças é algo muito bom, elas nos ensinam muito, mesmo sem perceber.

Conviver com as crianças que fazem parte do Programa Metamorfose Social é uma experiência indescritível, sentir a alegria de cada uma ao chegarmos à escola é algo acalentador, inexplicável. É muito bom sabermos que eles gostam da nossa presença e que de algum modo vamos fazer parte de forma positiva da experiência de vida deles.

Ao lidar com eles você começa a se perguntar o que é ser criança, e começa a criar conceitos, querendo assim decifrar cada um. Segundo os meus conceitos ser criança é simplesmente o máximo, é o momento onde podemos viver e só viver, sem pensar no amanhã, sem pensar no que virá.

Quando criança você sabe desfrutar o máximo de cada momento, não se deixa levar pelo medo, pela insegurança, é um período onde você se sente tão forte quanto um super herói, e por isso tende a fazer tudo e um pouquinho mais, porque sabe que ninguém terá coragem de lhe deter, é uma fase onde os problemas não existem, onde o único dever é brincar, se divertir e aproveitar.

Por Mônica Santana
Escola Estadual Elma Marques Curti